terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Pedido de ajuda aos bloggers (solved)

Malta do blogger, como é que eu comento os blogs sem ser com o perfil do google+?
É que esta bosta agora não me comenta com o perfil do blogger...


p.s. problem solved!

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

A contar kms por aí

Só para avisar que há uma nova página ali em cima, que não é mais do que um registo dos sítios por onde vou passando a correr. 

Sabendo que comecei a correr mais a sério em 2015 não está nada mal. 
Para onde vou levo sempre os ténis e umas calças/calções, consoante a estação. Posso não correr muito, mas há quase sempre uma voltinha. 
Na maior parte das vezes faço-o sozinha, não porque gosto mas porque não tenho outra opção.

Ficou a falta-me a corrida no Central Park em NYC, os ténis até foram, mas foi mais compras... A partir de agora comprometo-me a fazer crescer a lista de sítios.
Há mais alguém com esta "pancada"?



terça-feira, 5 de dezembro de 2017

LUXembourg

Há muito que tinha comprado uma viagem para Madrid para acompanhar a minha amiga que faz pole dance a uma competição: o PoleArtSpain. Estava marcado para o 2º fim de semana de novembro. Mas isso fica para outro post.

No fim de semana anterior a minha irmã ia ao Luxemburgo com o marido e o meu afilhado bebé de 8 meses, para visitarem uma amiga que já não viam há 14 anos.
Quase de um dia para o outro o meu cunhado mudou-se para Oslo (sim, vou ficar sem o babyV já este mês snif snif) e a minha irmã ficou sem companhia para viajar... na verdade não foi preciso insistir muito para que trocássemos o nome dele pelo meu.
Ou seja, dois fins de semana seguidos de viagem.
Para o trabalho é péssimo, para o corpo também, mas viajar é quase a coisa que me dá mais prazer de momento (isso e treinar).

O Luxemburgo é realmente um país muito pequenino. Faz-se, de carro, de uma ponta à outra, em, sensivelmente, duas horas e meia. Fiquei alojada a sul mas também passeei pela capital. A ideia com que fiquei é que é uma espécie de Bélgica misturada com Suiça, ou seja, muita natureza, frio, vales, modernidade misturada com antiguidade. Ouve-se tanto falar português que até faz impressão. É nos cafés, nas obras, nas ruas... Há sempre algum português.



A cidade onde fiquei Esch-sur-Alzette vai ser capital europeia da cultura em 2022 e já é notória a sua transformação/modernização. Era uma cidade siderúrgica mas em que a maior parte dos edifícios da siderurgia já estavam desativados mas que agora estão a ser revitalizados com novas funções. A universidade, que era na cidade do Luxemburgo, foi também realojada nesta nova ala da cidade de Esch-sur-Alzette, num edifício imponente que desafia as leis da gravidade. 



Dica: na capital há uma casa de chocolates muito típica que é obrigatório visitar. Tem uma decoração muito particular e uma maneira muito engraçada de beber chocolate quente. Escolhe-se o tipo de leite, o sabor do chocolate e é-nos servido (por umas portuguesas muito simpáticas) uma caneca de leite quente e uma colher de madeira "dentro" de um cubo de chocolate com o sabor que escolhemos. Depois é só ir mexendo a colher no leite até derreter por completo. 

 
 Claro que há uns bolos maravilhosos a acompanhar..........

Foi um fim de semana de passeio mas também de muitas fraldas mudadas, muitos beijinhos, noites a acordar sempre que o babyV suspirava, muita papa e tempo passado com a minha irmã, que há muito que não viajávamos juntas. Ainda fiz panquecas para nós e tivemos direito a um almoço de domingo numa típica família portuguesa. Há coisas que nos correm no sangue e a nossa cultura e gastronomia são duas delas.



Para não variar, fui dar a minha corridinha numa manhã bem fria. Eram para ser 5km, mas quanto já não tinha ideia de onde estava, olhei para o google maps e percebi que estava a 3km de casa... Não me restou outra alternativa senão continuar a correr...
Mais uma para juntar à minha lista de corridas "lá fora".

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Black




E no meio dos twisted thoughts vem a notícia dos happy thoughts.
Vou realizar um sonho que achei que já não ia ser possível.

sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Mimos via correio

Mal cheguei do Porto, fui à caixa do correio e tinha duas surpresas.

Uma não era assim tão surpresa, pois era a t-shirt dos Flexduo que tinha mandado vir. Para quem não conhece trata-se de um casal que defende a prática da dieta flexível aliada à prática de exercício físico ao invés de dietas restritivas. É composto pelo Pedro e pela Emy, a sua namorada, muito desbocada mas com muita piada. Gosto deles, encaixo-me no conceito e por isso quis fazer parte da "equipa". A Emy escreveu-me essa carta que adorei enviando juntamente com um kinder bueno... 
Para conhecerem mais sobre este conceito e sobre eles vejam os vídeos no youtube:

Flex Duo 




A segunda surpresa, ou seja, a única verdadeira surpresa foi ter um postal da querida Sofia, que participou do desafio fit com um convite e um presente especial!
Um convite para a visitar em Aveiro :) oh Sofia ao tempo que eu não vou a Aveiro!! Passei lá férias uns anos e sou a maior fã de ovos moles e tripas de ovos. Tenho de pensar em voltar! E assim que saiba é óbvio que falarei contigo!
Além disso, e aproveito para te agradecer (demorou mas não me esqueci) os marcadores de livros que me enviaste para a minha coleção! Muito obrigada de coração.

Não posso deixar de salientar que o desafio fit além de ter sido muito fixe ainda nos fez conhecer melhor umas às outras permitindo esta troca muito boa de mimos entre nós.
Um beijos Às miúdas fit!

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Antiga, Mui Nobre, Sempre Leal e Invicta Cidade do Porto

Aproveitando o fim de semana prolongado do 5 de outubro e o facto de não ter tido férias "grandes", rumei ao Porto, com amigos, para lhes mostrar como a cidade está tão diferente, comparando com o Porto de há 10 anos atrás.
Para mim o Porto vai ser sempre uma das minhas cidades. Agora que me ponho a pensar, já vivo há mais anos em Lisboa (8) dos que os que vivi no Porto (5). 
Quando deixei o Porto, corria o ano de 2009, ainda não havia turismo, ainda não havia o desenvolvimento hoteleiro e de restauração, muito menos a movida que agora existe na baixa portuense.
À noite o Porto era deserto, a ribeira era perigosa.
Felizmente, e com ajuda de algumas variantes, o Porto mudou.
E mudou, a meu ver, para (muito) melhor!

Como sempre fiquei em casa de uma grande amiga, que sempre é a forma de a ver e passar algum tempo com ela e ao mesmo tempo poupar mais.
Aproveitei a ida ao Porto para me aculturizar gastronomicamente e é isso que vos vou mostrar:


Brick: um dos sítios que mais queria experimentar e que, tirando a espera que foi grande, compensou muitíssimo! A comida é realmente boa e só de olhar para as fotografias já comia tudo de novo. Bom sítio para ir sem pressas. Aquela carninha no pão... de morrer e chorar por mais.






Rota do Chá: uma casa de chá com um estilo muito oriental, que já conhecia na Rua Miguel Bombarda, mas onde gosto sempre de voltar. Tem um lindo jardim ótimo para beber um chá e relaxar. Cuidado ao sair para não irem ter diretos à cozinha... ups...



Hotel Premium Porto Downtown: Andamos algum tempo à procura do hotel, pois sabíamos que tinha um terraço com vista a 360º. Estava fresco e por isso estivemos sozinhos no terraço. Aproveitamos para pedir um pica-pau, que estava muito bom, e beber umas cervejas.



Diplomata: mais um local ideal para brunch. Tínhamos lido que eram experts em panquecas e quisemos ter a certeza. Como costuma ter muita gente fomos cedinho, mal abriu. Éramos 8 à mesa e não houve uma pessoa que não adorasse. Pode escolher-se desde a massa das panquecas, à fruta, iogurte e toppings. Basicamente tudo! Há menus de brunch e o preço é muito bom!




Espaço Porto Cruz: mais um terraço de ida obrigatória, com a deslumbrante vista de Gaia para o Porto. Como o nome indica é dedicado ao vinho do Porto, que eu adoro e bebi (sim, há para várias preços) mas há também outro tipo de bebidas. Vi um dos pores do sol mais bonitos de sempre, com vinho, amigos e o meu Porto no fundo.

Foto by Agnieszka Olesiewicz


Francesinha Caffé: por fim, e como não poderia deixar de ser, a bela da francesinha, num sítio recomendado por um portuense. Levei os lisboetas a comer francesinhas e adoraram. É um simples café, mas que só serve francesinhas e pregos. Eram boas. E comi a minha toda!




Miss'Opo: último almoço antes de zarpar para Lisboa. Adorei o espaço, acho que foi uma maneira muito inteligente de tornar um espaço descaraterizado num espaço com caráter, juntando o antigo e o novo. A comida é boa, mas (aqui há um mas) para a quantidade pareceu-me caro demais, especialmente comparando com os outros locais. Tem uma loja ao fundo e algumas mensagens (pouco púdicas) nas paredes.






duas dentadas de bolo não é...

Quem é que ainda não foi ao Porto nos últimos tempos??
Acho que está na altura...


(foi preciso um serão sozinha em casa para acabar este post... shame on me)

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Ups

Ontem jazia na cama, mas o meu cérebro ainda estava a trabalhar. 
De repente exclamei:
"Mr. Panna deixamos passar o nosso 2º aniversário de namoro!"

"Ai que susto! Estava quase a dormir - respondeu ele - sim, foi quando eu estava em Madrid."

"Desculpa ter-te acordado. Até amanhã." - respondi.

E levei uma apalpadela no rabo.


Estou tão em falta neste blog... Tenho não sei quantos rascunhos para acabar, do Porto, do pós Porto, do Luxemburgo... e agora vem Madrid! Preciso de férias da minha vida...

sábado, 14 de outubro de 2017

Bush Bush Bush


Os Bush fizeram parte da minha adolescência, desde o Everything Zen , ao conhecidíssimo Swallowed ou ao mais recente The People That We Love. Marcaram-me e durante muito tempo ocuparam (ou ocupam) o meu top 5 de bandas. Corria o ano de 2002, na flor dos meus 16 anos fui vê-los ao Festival de Vilar de Mouros. O Gavin Rossdale passou diretamente das portas do meu armário para um palco em frente aos meus olhos. Lembro-me que gravei algumas músicas no meu telemóvel da altura, com a funcionalidade "gravação audio". A malta mais nova já nem sabe o que é um telemóvel sem imagem... só com pixeis a preto e branco...
Adiante.
Há uns 2 meses passei em frente ao Coliseu dos Recreios e vi um cartaz a anunciar que vinham cá.
Nem sequer ponderei comprar, mas fiquei a pensar naquilo. Gostava de ir.
Como o Mr. me faz as vontades todas (sou altamente mimada às custas dele), há 2 semanas apareceu-me com bilhetes comprados para o concerto.

O concerto foi na quarta feira.
Como a sala do coliseu não é muito grande e também não estava a abarrotar, deu para ficarmos bem lá à frente, pra'i a uns 10/15m do palco. Adoro concertos no coliseu pelo facto de o piso ser a descer e facilitar imenso a visualização. Além disso, sou assim para o alta e vi o concerto todo sem ninguém a tapar-me a vista.
Dancei, cantei, fiquei babadíssima com o Gavin. Continua lindo de morrer (embora já não ande pelas portas do meu armário), jeitosão e enérgico. Até fui pesquisar a idade do homem. 51 anos minha gente! 51 e continua assim... não hei-de eu estar velha...


A certa altura o Gavin sai do palco e decide começar a andar pelo meio da multidão. Literalmente no meio da multidão, com os seguranças sempre atrás dele a garantir que ninguém amarrava o homem. 
Eu sou tímida.
O Mr. só me dizia "vamos! vamos tentar chegar a ele!" Não precisamos de nos mexer muito porque ele acabou por passar mesmo ao nosso lado. 
Tive o meu momento teenager. Estiquei o braço e agarrei-lhe um bícep, todo suado.

Eu agarrei o bícep do Gavin!

Os momentos seguintes fiquei a assimilar o que tinha acontecido. Tinha estado a menos de 1m dele e tinha-lhe posto a mão. Ao menos não chorei como um rapaz que estava atrás de mim, com uns 30 anos e com lágrimas a cair... A mim só me deu vontade de rir dele.


E depois destas fotos que tiramos deixo-vos a Glycerine tocada quase toda num solo. Linda de morrer.


E a The People That We Love, com pouca qualidade mas que mostra o quanto ele dançou. By the way, descobri que temos uma forma de dançar muito semelhante.

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

Juntos somos mais fortes


Entramos no Outubro rosa.
Serve, na maioria dos casos, para nos lembrar de que temos que fazer prevenção do cancro da mama. Digo na maioria dos casos, porque no meu caso, só me relembra o que passei e cada vez tenho mais medo e mais certeza que não quero passar novamente pelo mesmo.
Parece que na altura custou menos do que o que acho que custa agora. É estranho mas é assim.

Acabei de receber um mail da Mango, a dizer que lanço uma coleção alusiva ao tema e que os fundos revertem 100% (sim, 100, não 5 como na maioria dos casos) para a Fundação Fero, que desenvolve investigação oncológica.

Tinha tudo para ser espetacular, mas pesquisei a tal fundação no google e nada... não aparece nada, nem sequer parecido. Fico a pensar se será verdade... é estranho, não é?
Se for a uma loja ainda tento saber...



 

p.s. - chego à conclusão que não sei pesquisar no google. 
Obrigada Vera e N. por terem tornado isto credível! 

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Pequenos almoços (sem glúten)

Ultimamente tenho tentado diminuir o glúten que ingiro. Uma espécie de experiência só para ver o que acontece. Houve uma semana em que não ingeri totalmente e a verdade é que a barriga desinchou, e passei a sentir-me mais leve.
Sempre que conto isto a alguém a pergunta é sempre a mesma "e o que comes ao pequeno almoço?"
É verdade que o pão é o pão, não dá trabalho comê-lo nem abrir e meter alguma coisa no meio... Mas vá, tenho feito coisas diferentes que tenho gostado.
Além da tapioca, que já gosto muito, experimentei fazer crepioca (tapioca+ovo) e adorei. Faz-me em menos de 5 min., tal como a tapioca, mas sabe a uma coisa entre omelete e pão de queijo, o que é só fantástico. 
Além disso, ainda tenho feito panquecas com farinha de arroz, anulando também o glúten. Ou seja, com um bocadinho de ginástica mental tudo se consegue.
Atentem nas imagens:





Para a crepioca basta bater um ovo, juntar-lhe duas colheres de sopa de tapioca granulada (da terrinha) e bater até ficar homogéneo. A seguir deita-se na frigideira anti-aderente, recheia-se metade com o que se quiser (eu pus presunto e queijo) e fecha-se dobrando a outra metade. Fica assim crocante e fofinho por dentro.

terça-feira, 19 de setembro de 2017

Eu disse que tinha o melhor médico do mundo...

...e que ele me tinha receitado férias.


Palmas para mim que as análises estão boas!

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Updates do pequeno verme

Com uma semana de atraso aqui fica o relato da consulta da semana passada, que escrevi mas acabei por não publicar...


Hoje tive consulta com o meu cirurgião.
Tenho andado com um mau humor terrível pois as minhas hormonas andam completamente descontroladas. Ao mesmo tempo que tenho uma menopausa química, o meu corpo quer sobrepor-se a isso e os meus ovários tentam (e tem conseguido) produzir óvulos. Ou seja, tenho o pior dos dois mundos. Tenho oscilações de humor, afrontamentos e mais uma data de coisas ruins, típicas da menopausa, mas também tenho tido enxaquecas e dores abdominais... da menstruação.
Não há-de uma pessoa andar cansada, com sono e preguiça... Tenho vontade de não fazer nada e que não me chateiem... Coitado do Mr. que tem paciência de santo...

Basicamente, hoje fui à consulta queixar-me. Da genética que me quer "obrigar" a retirar mamas e ovários, da menopausa e dos seus horríveis sintomas, do período, do mau humor, da minha cabeça que pensa em cancro, dos exames que quero fazer para garantir que está tudo bem... Queixei-me de cansaço e ele passou logo análises para fazer.
"Sinto-me cansada mas continuo a correr" - disse eu.
"Então já não é preciso as análises não?" - respondeu-me ele com um sorriso.
"É preciso, é. Que faltei duas semanas ao ginásio por preguiça." - disse-lhe.
"Mas porque não vai com o seu namorado correr à noite?" 

Expliquei-lhe que ele não corre. Que tem 35 anos mas está cheio de mazelas no corpinho e é um preguiçoso. O médico olhou para mim de sobrolho franzido. Percebi que estava confuso. "Mas ele não é de educação física?"


Mandei uma gargalhada! "Dr. já não é esse..."

Ele levou as mãos à cabeça e riu-se.
Mandou-me tirar férias com o Mr. Diz que estou (estamos) a precisar.


Resumo:
A consulta correu bem e só posso ter um crush com o meu médico...
Saí de lá com alto astral. Melhor que uma consulta com psicólogo. Por falar nisso também ficou de dizer à psicóloga para me ligar. Trouxe a medicação do costume, mais análises, TAC, nova consulta para dezembro e a promessa de centigrafía óssea para o final do ano.
Como o médico diz "vamos fazendo exames para nos mantermos ativos!"

A consulta terminou como de costume:

"Obrigada L. por ter vindo. É sempre um prazer fazermos estas consultas."

Digo-lhe sempre que o prazer é meu, não dele. E quem tem que estar agradecida sou eu.

Fingers crossed

Façam figas que o Mr.Panna está neste momento a fazer o exame de código.



Só espero que seja fácil, porque acho que não estudou assim tanto... ou então sou eu que sempre fui muito certinha nos estudos...


PS - He made it!

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

sonhos meus, sonhos meus

Na semana passada sonhei duas vezes com a minha eterna mate.
Numa das vezes sonhei que ela e a minha irmã casavam no mesmo dia e que eu era madrinha das duas. E no meio de atrasos e peripécias não tinha chegado a tempo ao casamento dela e outra pessoa tinha efetivamente sido a madrinha.
Tudo isto é estúpido porque:

1. a minha irmã já casou;
2. não contava ser madrinha e o casamento é já em dezembro (omg vai começar a busca incessante por um vestido de inverno).

Mandei-lhe mensagem a dizer "devo estar com peso na consciência por alguma razão, mas sonhei contigo duas vezes na mesma semana e a coisa não corria bem e eu faltava-te".

Deixem-me explicar: fizemos o secundário juntas, fomos para a faculdade juntas, vivemos 5 anos juntas, fizemos erasmus juntas, estagiamos juntas... nunca nos zangamos. E hoje, mesmo depois de ela ter estado 2 anos no Brasil, de eu estar em Lisboa e ela em Viana, de ela já ser mãe e eu ainda ser um trambolho que só pensa em viajar e divertir, continuamos amigas e eu gosto muito, muito dela.

Tudo isto para para dizer, que, com muita honra vou ser uma das madrinhas da noiva!


Três anos, três casamentos, madrinha nos três.
Devo ser mesmo fixe. Ou então sou só boa organizadora de despedidas de solteira...

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Aquele momento mesmo estranho mas revelador

Aquele momento em que estás online no IG [porque acabaste de fazer uma publicação] e recebes a notificação: "ex-coiso gostou da tua foto", carregas na notificação e vai para uma foto tua pra'i de há 3 meses... voltas atrás nas notificações e a notificação já não está lá

Não me segue, mas vê-me (e eu não sabia). Com certeza pôs 'gosto' sem querer e tirou logo. Se a mulher sabe vai haver arroz de trombas...


E não, não foi o Peter.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Mini cozinhas

Alguém anda no dilema de mobilar/equipar uma cozinha?
Tenho andado a pesquisar cozinha pequenas, uma vez que tenho aqui uns projetos que me estão a fazer dar muitas voltas ao cérebro por causa das mini cozinhas...
Quanto mais pesquiso mais acho que é possível fazer coisas funcionais e bonitas num espaço mínimo. A prova disso são estas imagens.

A nível pessoal sou super fã de kitchenette. Não sou fada do lar e não gosto de cozinhar. Gosto de fazer outras coisas enquanto cozinho e estar presa na cozinha chateia-me. Não me interessa os cheiros, além de ter exaustor e abrir a janela ao mesmo tempo, também não faço fritos ou coisas que façam um cheiro horrível na casa toda. Por norma... não quer dizer que de vez em quando não aconteça. Além disso, só de pensar em limpar uma cozinha gigante... 

Em Lisboa, com esta maré de reabilitação, é raro o prédio que me passe pelas mãos que não leve kitchenette. Falta de espaço leva a isso.
Sintam-se à vontade para guardar e usaras ideias.